O que procuras?

terça-feira, 22 de junho de 2010

A modinha dos mentecaptos IV

Pelo conteúdo dos últimos artigos, dei comigo a pensar se não devia mudar o nome deste blogue para "À memória de Saramago"... E cagar em todos os contribuidores deste blogue (com a excepção de um), que além de não fazerem absolutamente nenhum artigo, simplesmente não se dignam a visitá-lo... tal é o vislumbre do facebook... só há tempo para o facebook...

Digam lá as maravilhas que disserem do facebook, a verdade é que não passa de mais uma modinha de mentecaptos, que mais cedo ou mais tarde passará de moda como passaram, em três tempos, outras redes sociais... (é claro que a minha opinião vale o que vale...).
Não deixo de lhe reconhecer algumas vantagens, entre elas a divulgação de eventos, por exemplo, bastante vantajosa simplesmente porque toda a gente tem facebook e toda a gente é amiga de toda a gente... Vive-se, também, a banalização da palavra «amigo»... Mas isso daria tema para outro artigo...
Em relação às utilidades como página pessoal e ao simples facilitismo de se carregar num link para manifestar a simples opinião de "gosto", quando lemos uma afirmação do tipo "acabei de ir cagar", considero-as uma tremenda trivialidade.
Admito, no entanto, que me deixei arrastar pela moda, não estaria então a comentar sem conhecer o fenómeno. Mas sempre que aderi a essa do "gosto", momentos depois, dei comigo a pensar no absurdo. E isto em duas semanas.

A própria blogosfera também já foi moda. Toda a gente tinha um blogue... Mas vivemos na era da simplificação e manter um blogue activo com leitores fiéis dá muito trabalho. Ler ou escrever textos grandes? Há lá tempo para isso...
Mas o que aconteceu com este blogue, aconteceu com muitos outros, por exemplo, com O Falcão e seus Comparsas, cujo clip do mês devia passar para clip do ano, e cujo número de contribuidores não se reflecte no número de artigos ou comentários. O mesmo acontece com o Até Morrer, todos criados há cerca de 4 anos.
No entanto, decidi medir a minha resistência e comprometer-me a continuar a actividade dos blogues, não só como fonte de informação, no caso do Falcão, mas também como depósito onde vou arquivando todas as opiniões, chatices e irritações que fechadas dentro de mim, me enferrujam a alma... E isso sem medo algum de opressões... Essas já bastam no mundo real!

Saudações!

P. S.: Estou para ver, com esta nova faceta do blogue, qual dos muitos contribuidores cá volta...

9 comentários:

Hugo disse...

Logo a abrir voto na aguilhotinagem do face book!

é de facto uma pena que as modas passem,e que se metam no fundo do armário peças de roupa ainda boas, mas é a "sociedade de consumo imediato, mastiga e deita fora, chiquelete"... Passam de moda músicas e músicos, livros e autores, pessoas e amigos. De melhor de todos os tempos passa a pior que morto, que é como se nunca tivesse existido!tudo para se juntarem à carneirada em direcção a um qualquer lugar onde as pessoas pensam que são muito originais, mas na verdade fazem, vestem, ouvem, vêem, lêem e dizem todos as mesmas coisas, e ainda mais se tentarmos buscar alguma profundidade na sua maneira de ser e de estar!

Eu todos os dias visito 6 blog's de temas e opiniões totalmente distintas, vou comentando os outros, mas os da minha irmandade faço questão; o meu contributo deveria ser maior, mas a maior parte das vezes é preguiça...

Saudações e força aí na luta Ariadne!

Ariadne disse...

A sociedade da informação, como tudo na vida, tens coisas boas e más...
E coloca-se o grande problema de nos vermos obrigados a acompanhar todo este desenvolvimento... Porque se não fizermos o esforço, corremos o risco de rapidamente nos tornarmos obsoletos e, consequentemente, uns infoexcluídos...

Entretanto, já descobri que dá para estabelecer ligações entre o blogger e o facebook. Tenho de ver isso melhor, para tentar trazer os fecebookianos novamente para os blogues :D

Hugo disse...

Temos de fazer o esforço de saber o que se passa à nossa volta, não de aderir a todas as modas...
Se daqui a 2 anos ainda andar tudo doido com o facebook eu faço uma página:)

saudações bloguistas!

Augusto disse...

Por mim, decreta-se o fim do Falcão na boa... Fartei-me de me esforçar para 3 ou 4 pessoas... Sou mesmo mentecapto...

Ariadne disse...

EHEHEH

Olhó, olhó! Não sabia que ainda visitavas estas paragens...
Então consegui ou não que viessem ao blogger? Vem mais algum? Quantos são, quantos são?

Agora a sério. Opá, quem criou o Falcão foste tu, cabe-te a ti decidir o que fazer com ele.
Eu considero que todo o esforço que fiz, em qualquer artigo que escrevi no Falcão, me ensinou alguma coisa. Mesmo que ninguém tenha lido, descubro e aprendo sempre alguma coisa quando escrevo.
Como tu próprio já disseste, antes de fazeres um artigo, investigas um bocadinho sobre o tema...

Além disso, a informação não deixa de estar na Internet e mesmo que agora não se transforme em conhecimento para os amigos, poder-se-á transformar a qualquer momento para desconhecidos visitantes.

Em relação ao facto de te ter assentado a carapuça... Eu, pelo menos, sou... quando dou comigo perdida no facebook, sem fazer a mínima ideia de como fui parar àquela página. São momentos em que recuperada a razão, ela me puxa o travão.

Não sei se me fiz entender!

Ariadne disse...

A título de conclusão:
Se detesto bisbilhotar na vida real e tenho alergia a gente cusca, é natural que me sinta mal e considere que perco a razão, quando dou comigo a bisbilhotar páginas no facebook...
O que é que eu hei-de fazer? É essa a sensação que eu tenho! Mesmo sendo páginas de gente conhecida, amigos inclusivamente!

Félix disse...

Eu cá acho que a ariadne tem pouca moral para aguilhotinar o facebook. Também passa lá a vida...

Augusto disse...

Isto foi anterior...
Irónico,não é?
Mais facebookiana que nós todos juntos, eheh...

Ariadne disse...

Quando escrevi este artigo tinha acabado de conhecer o facebook... Ainda nem sequer tinha descoberto que podia apagar da página inicial as pessoas cujos artigos não me interessavam rigorosamente nada, fosse pelo cariz demasiado pessoal, fosse pela falta de interesse...

Sinto-me com legitimidade e liberdade para criticar aquilo que conheço. Sem conhecer é que não teria moral. Como escrevi, «Se detesto bisbilhotar na vida real e tenho alergia a gente cusca, é natural que me sinta mal e considere que perco a razão, quando dou comigo a bisbilhotar páginas no facebook...» Portanto, eu própria me declarei como mentecapta...

Concluindo, senti-me muitas vezes excluída nas conversas entre amigos, por não conhecer o facebook... (É para ti Augusto...) Já basta algumas razões que lhes dou para me chamarem anti-social... Além disso, só não passo lá a vida, para dedicar também um bocadinho do meu tempo a este blogue, que a propósito tem muitos mais artigos que podem comentar... Já nem peço que contribuam também...

Saudações